18/08/2016

Terceira idade migra para apartamentos mais compactos

Unidades menores e mais acessíveis tornam-se tendência

Terceira idade migra para apartamentos mais compactos

Imóvel prático, compacto, bem localizado, acessível e com lazer. Esta é a moradia dos sonhos de boa parte das pessoas na terceira idade nos tempos atuais. De acordo com especialistas, a tendência é migrar dos apartamentos de três e quatro quartos para os democráticos dois quartos.

Augusto César Andreão, diretor da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), explica que, depois de criar os filhos, a procura é por mais praticidade. “Os idosos buscam unidades mais práticas há um bom tempo. Assim, é possível dispensar uma empregada doméstica e a sensação de ninho vazio é reduzida”.

Segundo o diretor, as unidades com áreas de lazer com espaços adequados para idosos saem na frente. “Há edifícios com espaços para banho de sol e área de lazer acessível. Além disso, este público tem filhos e netos para receber em seu lar, o que faz necessário um espaço extra e opções que agradem a todos”, diz Augusto.

O gerente de vendas da Grand Construtora, Thiago Belo, aponta os apartamentos de dois quartos como os mais adequados. “A principal vantagem desses empreendimentos é a funcionalidade. Para idosos, então, é ainda melhor. O segundo quarto pode virar um escritório, quarto de visitas e até mesmo um quarto para os netos e os filhos. Prédios com lojas no térreo fazem com que o morador não precise ir muito longe para ter acesso a vários serviços”.

O Edifício Pienza, em Itaparica, Vila Velha, tem apartamentos de dois quartos e área de lazer. Há ainda opções de unidades acessíveis na Grand Construtora.




Fonte: A Gazeta